logo

Diário de Bordo

Semana 31 – Centro-Oeste

O canto dos pássaros, o ir e vir dos gados e dos cavalos em meio a exuberante paisagem dos rios e campos, tamanduás, jacarés, peixes e quatis; nunca vi tanta diversidade natural em um só lugar. Acabo de sair da fazenda Barra Mansa, com destino ao Refúgio Ecológico Ararauna, onde continuo minha expedição pelo Pantanal Matogrossense. Estou maravilhado com tanta riqueza natural, e também com a cultura local; outro verdadeiro paraíso brasileiro para brilhar diante dos meus olhos!

Semana 30 – Norte

Quando um homem, por qualquer motivo, tem a oportunidade de levar uma vida extraordinária, ele não tem o direito de mantê-la para si mesmo. (Jacques Costeau)

Semana 29 – Norte

Pisando em solo amazônico pela primeira vez, iniciei a aventura pelo estado do Pará. Visitei a capital Belém, a Ilha de Marajó, e hoje cheguei na cidade de Abaetetuba, onde termino minha passagem por aqui. A Expedição está chegando ao fim, o livro está ganhando forma, e minha alegria em realizar este trabalho, não consigo definir em palavras - obrigado aos que acompanharam esta aventura desde o início. Em poucos dias chego no Amazonas, e em breve mando mais notícias do coração do mundo!

Semana 28 – Nordeste

Por algum tempo que afinal passou depressa, como tudo tem de passar, hoje eu me sinto como se ter ido fosse necessário para voltar, tanto mais vivo de vida mais vivida, dividida pra lá e pra cá! (Gilberto Gil)

Semana 27 – Nordeste

A voz é um pouco rouca, um tanto fina, mas o coração é afinado, como a alma nordestina. Povo de Alagoas e Sergipe, hoje a água lhes abençoa, ainda que nas margens do Velho Chico, quase não chove, só garoa. Do Muquém ao Xingó, quilombos e lagoas, de Canindé até a Glória, a colheita da taboa. Digo até breve aos prantos, seguindo agora para a baía de Todos-os-Santos!

Semana 26 – Nordeste

"- A senhora sabe qual o morador (a) mais antigo da cidade? - Pois olhe abençoado, já morreu, visse?"

Semana 25 – Nordeste

"Longe de casa, sigo o roteiro mais uma estação."

Semana 24 – Nordeste

De Recife pra Olinda/ De Olinda pra Recife/ E o cheiro do mar perfumando a úmida e quente superfície/ Aqui encontrei um canto, boa amizade e bom descanso/ Nas casas das cores, e por todos os cantos/ Parto agora pro Sertão, alegria no coração/ Conhecer Pernambuco, e meus grandes irmãos!

Semana 23 – Nordeste

"É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada" (Patativa do Assaré)

Semana 22 – Nordeste

"Umbó" agora da Atenas Brasileira, para a alegria que vivem em plena Rua da Amargura, e aos quilombos de sonoros relâmpagos, de negra cor, sim "Siow"! Agora, ainda mais paz, debaixo dos tetos trançados com buriti, descansando de dias e dias sob o sol de tantos desertos. Tua graça agora também é minha, Maranhão!

Semana 21 – Norte e Centro-Oeste

Sim, existe o paraíso, e ele fica no Tocantins, na região do Jalapão, o coração do Brasil! Fervedouros azul turquesa, cachoeiras de águas cristalinas, árvores com formações surreais, dunas gigantes rodeadas por buritis, lagos e montanhas, além de toda a riqueza cultural do povo do cerrado. Fiquei poucos dias na região, mas quero retornar para conhecer cada canto deste lugar mágico. Agora estou em Pirenópolis, em Goiás, para retratar as Cavalhadas, representação das guerras medievais entre mouros e cristãos. O estádio da cidade lota para ver a batalha no campo, enquanto nos arredores, jovens mascarados e com o corpo pintado, fazem uma grande folia em cima de seus cavalos enfeitados. Daqui, parto para o Maranhão, começar a fase Nordeste da Expedição Brasil; na próxima semana trago novidades, e mais imagens de lá para vocês!

Semana 20 – Centro-Oeste e Norte

“É que tem mais chão nos meus olhos do que cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.” (Cora Coralina)

Semana 19 – Sudeste

Última passagem da nossa viagem pelo sudeste brasileiro, o estado do Espírito Santo foi um belo porto para refletirmos sobre tudo que passamos durante os últimos quatro meses. Povo de paz, cidades agradáveis, lindas praias e montanhas, e muita diversidade cultural. Agradecimentos à todos que nos ajudaram para que esta fase da expedição fosse um sucesso, obrigado! Em poucos dias chegaremos a região centro-oeste para continuar retratando a beleza do nosso povo e da nossa terra!

Semana 18 – Sudeste

No domingo passado tive contato com punks e indígenas, que juntos lutam por causas humanitárias em uma ocupação na periferia do Rio de Janeiro. Por ali, artistas de circo usam o espaço para treinar malabarismo, escrevem letras de protesto contra o sistema, e ajudam os índios a manter a ocupação e fortalecer sua luta pela sobrevivência no espaço urbano. No Vidigal, uma visita a casa de um cineasta que cria roteiros ligados à vida na comunidade; uma oportunidade de conhecer de perto a nova face das favelas pacificadas, e ver a cidade de um ângulo incrível. A vida dos moradores de rua na Cinelândia, devastados pelo crack, é um retrato contrastante e cruel do centro histórico. Um lugar que acolhe o mundo de braços abertos, e estará retratado no livro Expedição Brasil, um Rio de Janeiro muito além da cidade maravilhosa!

Semana 17 – Sudeste

O aroma do café exala pelo ar, enquanto a secagem dos grãos é feita sobre um pequeno planalto com visual panorâmico da Serra do Caparaó. Aqui, na Fazenda Ninho da Águia, o café é produzido de forma orgânica, e com muito amor pela terra. Clayton, ex surfista, agora se dedica a produção do melhor café brasileiro, premiado aqui, e saboreado ao redor do mundo; quanto mais cuidado se tem com a terra, mais amor ela dará aos frutos que nela crescem! Longe dali, na cidade de Lima Duarte, visitamos o Parque Estadual do Ibitipoca - o visual do Pico do Pião exibe toda a grandeza e riqueza da região, com vales a perder de vista, e grandes montanhas. No caminho de volta, grutas e cachoeiras com formações surreais, belos mirantes e ar puríssimo. Após a longa caminhada, já na pequena vila de Conceição do Ibitipoca, uma prosa com os nativos e moradores, e mais algumas xícaras de café que trouxemos lá do Caparaó!

Semana 16 – Sudeste

E como se eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, e no fecho da tarde um sino rouco se misturasse ao som de meus sapatos que era pausado e seco... (Carlos Drummond de Andrade)

Semana 15 – Sudeste

Parte da riqueza de Minas Gerais, aos poucos vai se transformando em resquícios; o descaso e o abandono dos tesouros arquitetônicos de Ouro Preto, destroem dia após dia nossa história mais enraizada. Alguns cidadãos não reconhecem o valor do suor e sangue dos escravos que, açoitados pelos colonizadores, contruíram uma das mais belas paisagens urbanas do Brasil. Em Mariana o desastre ecológico, e as ruínas do distrito de Bento Rodrigues contam parte de uma história muito recente de um país que cresce desordenadamente, onde trabalhadores perdem seus lares para a ganância de grandes corporações, e enxergam sua vida e seus sonhos se transformarem em lama, entulhos e lágrimas. Este ensaio é uma homenagem às vítimas de Mariana!

Semana 14 – Sudeste

Semana de calor, mormaço de praia , de asfalto, e da boca da caldeira! O aço grudado sobre a pele e as lentes, remete à purpurina do carnaval que há pouco passou. O rumo da vida entre todos os lugares, da praia pra cidade, da cidade para a estrada, e então para a mata. Daqui de cima vemos um rastro do que vivemos por lá, com as luzes das cidades ao longe. Chegou a hora de partir, refetir, limpar a fuligem do aço de Volta Redonda e refrescar as cabeças torradas pelo sol do Rio e de Janeiro, aqui nas místicas montanhas de Visconde de Mauá! (Renan Rosa)

Semana 13 – Sudeste

O norte de Minas Gerais resguardou uma passagem muito especial para a expedição, e felizmente voltaremos para retratar a região sul do estado em março. Neste final de semana passamos pelo interior de São Paulo, e tivemos belas surpresas ao retornar para o Vale do Paraíba, agora para o carnaval! Marchinhas típicas, muita paz e céu azul durante a folia dos blocos tradicionais do fervoroso carnaval de São Luiz do Paraitinga. De lá, viemos para o Rio de Janeiro pela Via Dutra, faz pouco que chegamos, sentei para escrever e esqueci por instantes onde estava; a vida e os pensamentos seguem por todos os caminhos quando se está na estrada, mas de qualquer forma, é sempre bom voltar para o Rio!

Semana 12 – Sudeste

A luz entre as montanhas onduladas do Vale do Jequitinhonha ilumina a pele escura e brilhante; escura como suas pedras, brilhante como seus diamantes. A tempestade nutre o chão rachado e seco; esta terra que conta a história de um passado escravizado, hoje liberta-se nas vozes de suas lavadeiras, na maestria de suas cozinheiras e habilidosas bordadeiras. Minas não se rendeu ao tempo, preserva seu passado e a cultura de seu povo, mantendo sua identidade e história sempre vivas.

Semana 11 – Sudeste

Depois de finalizar parte do nosso roteiro em São Paulo, chegamos em Minas Gerais! Há muito tempo que esperamos este momento da viagem, tanto pela riqueza cultural e histórica, quanto pela grandeza e beleza que o estado resguarda! Estamos somente no começo da nossa passagem por aqui, mas já nos pegamos falando com um leve sotaque mineirês, e com alguns pesos a mais na balança; a cada casa que entramos, alguma delícia da culinária local é oferecida. Seguiremos caminho pelo Vale do Jequitinhonha nos próximos dias, esperando rever todos por aqui na próxima semana!

Semana 10 – Sudeste

A brisa do mar de Paraty sobe a serra, soprando sobre seu cume tomado pela neblina. A neblina vai dissipando ao longo da Estrada Real, abrindo caminho para o sol, que entre nuvens, ilumina o belo Vale do Paraíba. Vale com aroma de lavanda e alecrim, da água cristalina que desce de suas imensas cachoeiras, e do povo da terra, de fala mansa e vida tranquila.

Semana 9 – Sudeste

Brasil, sua natureza clamando pela vida, chora chuva sobre a terra. Enquanto o homem e suas vitórias, destroem as terras por quem choras, o embrião que em tú vive, trará em um livro de fotos suas memórias.

Semana 8 – Sudeste

Uma semana de transições viscerais, da metrópole para o campo, do ruído intenso de grandes avenidas, para o canto dos pássaros na serra. Da música urbana ecoando nos carros, à música tradicional cantada pela grande rainha do samba paulista. Estado de tantas riquezas, das estradas de ferro e túneis sem fim, labirintos que nos guiam entre nuvens de fumaça e céus de azul intenso; São Paulo mutante, terra de todos!

Semana 7 – Sudeste

Um constante alarido ecoa entre seus enormes ouvidos. O dia já nasceu, o sol entre as nuvens queima sua pele, e seu suor escorre chuva pela cidade. Cicatrizes no cimento, alegria e dor, ossos de ferro, pontes entre os céus, grandes veias, sangue de todas as terras. Avisem o Brasil e o mundo: o gigante São Paulo acordou!

Semana 6 – Sul

A receptividade calorosa do povo caiçara, a busca pelo cipó na mata atlântica, e a tradição preservada em meio a modernidade construída pelos imigrantes. Tanta diversidade, riqueza e beleza destes povos, que nossos olhos marejados não se cansam de irrigar as terras dos lugares por onde passamos, dia após dia. Deixando o sentimento tomar forma, a luz e a sombra criarem linhas, por onde a história de cada brasileiro escreverá nossa própria história!

Semana 5 – Sul

Entrar no Paraná, um estado que nós conhecíamos tão pouco, foi uma excelente surpresa. A grandeza dos campos, a força das quedas, a imponência da capital, e a doçura do povo indígena e ribeirinho, nos conquistaram. Ainda temos um bom caminho pelo estado até chegarmos ao final da expedição pelo sul do Brasil, mas a marca deixada em nossas memórias até agora, temos certeza, ficará para sempre! Nos despedimos desta semana com uma frase do poeta curitibano, Paulo Leminski, que expressa a experiência do Pedro na semana passada, e que nos dá muita força para seguir nossa caminhada pelo Brasil: "Um homem com uma dor é muito mais elegante, caminha assim de lado, como se chegando atrasado, chegasse mais adiante".

Semana 4 – Sul

Esta semana tivemos que parar de viajar e fotografar por uns dias! Pedro, meu amigo e companheiro de viagem caiu de uma ponte abandonada em minha cidade natal, Tangará. Foi uma queda muito forte, de uma altura de quase quinze metros; foi um milagre não ter acontecido nada de grave com ele. A vida é frágil, mas a força que nos acompanha nesta aventura mostrou-se inabalável, e nos guiou entre vales, montanhas, haras, garimpos e aldeias. Como é belo e grandioso o sul do nosso país!

Semana 3 – Sul

Estamos chegando ao fim da nossa expedição pelo Rio Grande do Sul, e a vontade de ficar aumenta a cada dia. Esta semana conhecemos parte da história industrial e arquitetônica gaúcha; visitamos antigos matadouros, fábricas abandonadas e casarões da época colonial na rota entre Rio Grande e Bagé. Crepúsculos viscerais entre nuvens densas e vibrantes, coloriram os pampas em nosso caminho até Missões. Logo em nosso primeiro dia por aqui estivemos na Aldeia Guarani em São Miguel, que povo lindo! Continuem nos acompanhando, nossa expedição fotográfica pelo Brasil está apenas começando!

Semana 2 – Sul

São tantos sentimentos e aprendizados, que não conseguimos imaginar como olharemos para nosso país ao final desta longa caminhada. Além da superfície sensível da fotografia, seguiremos olhando para a vida dos brasileiros com a pureza e o carinho com que esta expedição foi criada e concebida. Estamos chegando no extremo sul do Brasil, e mandaremos notícias da fronteira em breve. Grande abraço, e continuem acompanhando nossa jornada que está apenas começando!

"Reflexo em dia chuvoso"

Semana 1 – Sul

Em apenas dois dias de viagem, já posso sentir o quão transformadora será esta experiência e o impacto que a imensidão e a diversidade do Brasil exercerão sobre minha existência. Esta transformação será cada dia mais profunda.
É meu destino, estou comprometido com ele – minha alma fotográfica não descansará enquanto eu não encontrar a essência da nossa terra e do nosso povo.